sexta-feira, 29 de novembro de 2013

A fita K7

fita cassete ou compact cassette é um padrão de fita magnética para gravação de áudio lançado oficialmente em 1963 invenção da empresa holandesa Philips. Também é abreviado como K7.

Previstos originalmente como meio para ditado e uso como gravador de som prático e portátil, a qualidade dos primeiros reprodutores não era muito adequada para música, além disto os primeiros modelos tinham falhas na mecânica. Porém rapidamente as falhas foram sanadas, diversos modelos produzidos, alguns foram incorporados aos receptores portáteis de rádio. Assim as melhoras na qualidade de som fizeram com que o cassete suplantasse a gravação da fita de rolo na maioria de seus usos domésticos e profissionais. É preciso lembrar também que na metade da década de '60 o consumo da música explodiu, logo uma forma prática de se gravar e ouvir música foi o ideal para um público jovem.

Entre 1970 e os meados de 1990, o cassete era um dos dois formatos mais comuns para a música pré-gravada, junto aos discos de vinil (compactos e LPs). A venda de conjuntos integrados (no Brasil 3 em 1) com receptor FM, toca-discos para vinil e gravador cassete fizeram com que houvesse uma tremenda difusão nas fitas gravadas domesticamente, cada um podia fazer a sua seleção de músicas das rádios ou dos discos.
Em muitos países ocidentais, o mercado de cassetes entrou em sério declive desde o seu auge no final da década de 1980. Isto notou-se particularmente com os cassetes pré-gravados, cujas vendas foram superadas pela dos CDs durante a década de 1990.
Em 2001, os cassetes constituíram somente 4% de toda a música vendida nos Estados Unidos. Não obstante, no final da década de 2000, os cassetes virgens ainda estavam sendo produzidos.
Muitas companhias fabricantes do audiocassete deixaram de produzi-lo no final da década de 2000, já que este tem sido fortemente desbancado pelos meios digitais com os reprodutores de MP3, cuja mídia pode ser um CD, cartão de memória ou DVD com um qualidade de som superior e maior duração. mais...
Curiosidade:
As fitas K7 foram um dos primeiros tipo de pirataria sobre direitos autorais, afinal eram graváveis e muitos se aproveitaram disso.
Havia também limpadores de cabeçote em forma de fita K7.
As fitas K7 podiam ser regravadas em cima de outras musicas quantas vezes você quisesse, desde que não se removesse o lacre de segurança sobre a fita nas extremidades.
As fitas K7 originais eram brancas, com capas de acrílico transparente na parte da frente e pretas atras, ( ma maioria dos casos ). Havia pessoas que diziam que algumas eram perfumadas.

Fitas K7 originais ( Bozo, Amado Batista, Sertanejo 86 e Trio Parada Dura














 




 Fitas virgem ainda lacrada. Obs: Apenas com uma pequena parte da capa retirada.






Detalhe do lacre de segurança no alto da fita para impedir gravações, basta remove-lo.



Lacre na ponta de cada lado da fita, permitia que nada fosse gravado sobre o conteúdo existente


Limpador de cabeçote








Valeu! E até a próxima postagem!




Nenhum comentário:

Postar um comentário